Sérgio Rodrigues

Biography

Sergio Rodrigues was born in Rio de Janeiro, 1927. He descended from a family of intellectuals, including writer and playwright Nelson Rodrigues, his uncle. He studied architecture at the National School of Fine Arts, where he met Lucio Costa and Oscar Niemeyer. His store and factory Oca was inaugurated in 1954. The company was one of the most notable of that moment, and amongst the main suppliers of furniture for Brasilia. In the late 1960s, worn out by administrative obligations, Rodrigues left the activity to pursue architectural and interior projects. He returns to work on the prefabricated wooden architecture system, SR2, which he had created years earlier. In the early 1970s, to complete the furniture production for the Editora Manchete headquarters in Rio de Janeiro - the foremost private commission he ever received - Rodrigues created an on-site workshop. In the 1980s, he mainly worked fulfill orders, but he drew a few hotel and garden lines for other factories. He continues to create and develop furniture in the years 2000, when he enjoys recognition. Before his death in 2014, he participated in the establishment of the institute that houses his archive.

Commentary

From the Brazilian creators of the 1950s and 60s, Sergio Rodrigues is the most prominent product designer. He devoted himself primarily to furniture and developed - in six decades of activity and a total of 1,200 projects - a repertoire of constructive and formal solutions. His trait created a dialogue with the rationalist precepts of modernism, expressed in the structural clarity of the furniture, as well as with the fluid outlines of the Danish masters. Like the latter, the production of Rodrigues is characterized by the use of skilled labor, handcrafted processes and the combination of solid wood and leather.

From the beginning of the studies in architecture, he was interested in interior design and its equipment. In 1954, he inaugurated Oca in Ipanema, a mix of store, gallery and studio, in which he presented his first pieces of furniture alongside works of art, tapestries and lamps in the modern spirit. Rio de Janeiro was then the epicenter of the "golden years", as Bossa Nova, Cinema Novo, soccer stars and the irreverent construction of Brasília became known.

In Brazilian design of the time, Sergio Rodrigues was the name with greatest international projection. His Mole armchair won an award in an important competition in Italy - on the jury were Arne Jacobsen and Ignazio Gardella -, was then produced for export under the name Sheriff and added to MoMA's collection in 1971. Gio Ponti published a selection of his pieces in Domus magazine, and Oca even had a store in Carmel, California. At the heart of the numerous orders for buildings in the new capital, the company gained scale and the Meia-Pataca brand was created, with furniture of more simplified production, where rounded give way to rectilinear components, assembled simply by fitting pieces one into another. Endowed with extraordinary imagination, Sergio Rodrigues rescued elements of the indigenous, caipira and bandeirante cultures, and his furniture anticipated the informality of behavior of counterculture movements.

Sergio Rodrigues nasceu no Rio de Janeiro em 1927. Descende de uma família de intelectuais, entre eles o escritor e dramaturgo Nelson Rodrigues, seu tio. Estudou arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, onde conheceu Lucio Costa e Oscar Niemeyer. Sua loja e fábrica Oca é inaugurada em 1954. A empresa foi uma das mais notáveis daquele momento, e das principais fornecedoras de móveis para Brasília. No fim da década de 1960, desgastado pelas obrigações administrativas, deixa a atividade para fazer projetos de arquitetura e de interiores. Retoma o uso do sistema pré-fabricado em madeira, SR2, que criara anos antes. No início dos anos 1970, para dar conta da produção dos móveis da sede Editora Manchete, no Rio de Janeiro - principal comissão privada que recebeu - chega a criar uma oficina in loco. Nos anos 1980, as encomendas são sua principal atividade, mas desenha algumas linhas para hotelaria e jardim para outras fábricas. Continua a criar e desenvolver móveis nos anos 2000, período em que goza de prestígio. Antes de sua morte, em 2014, participa da criação do instituto que detém seu acervo.

Comentário

Dos criadores dos anos 1950 e 60, Sergio Rodrigues é o mais proeminente designer de produto. Dedicou-se prioritariamente ao mobiliário e desenvolveu - em seis décadas de atividade e um total de 1.200 projetos - um repertório próprio soluções construtivas e formais. Seu traço travou diálogo com os preceitos racionalistas do modernismo, expresso na clareza estrutural dos móveis, bem como com os contornos fluidos dos mestres dinamarqueses. À semelhança destes, a produção de Rodrigues caracteriza-se pelo uso de mão-de-obra qualificada, processos artesanais e a combinação da madeira maciça com couro.

Desde o início dos estudos de arquitetura, interessa-se pelo design de interiores e seus equipamentos. Em 1954, inaugura a Oca em Ipanema, misto de loja, galeria e estúdio, na qual apresenta seus primeiros móveis ao lado de obras de arte, tapeçarias e luminárias dentro do espírito moderno. O Rio de Janeiro era então o epicentro dos "anos dourados", como ficou conhecida a época da Bossa Nova, do Cinema Novo, dos craques do futebol e da irreverente construção de Brasília.

No mobiliário brasileiro da época, Sergio Rodrigues foi o nome de maior projeção internacional. A poltrona Mole foi premiada em importante concurso na Itália - no júri, estavam Arne Jacobsen e Ignazio Gardella -, produzida para exportação sob o nome Sheriff e incorporada à coleção do MoMA em 1971. Gio Ponti publicou uma seleção de suas peças na revista Domus, e a Oca chegou a ter uma loja em Carmel, na Califórnia. No esteio das numerosas encomendas para edifícios da nova capital, a empresa ganhou escala e foi criada a marca Meia-Pataca, de móveis de produção mais simplificada, onde os torneados dão lugar a componentes retilíneos, montados por encaixe. Dotado de extraordinária imaginação, Sergio Rodrigues resgatou elementos das culturas indígena, caipira e bandeirante, e seus móveis anteciparam a informalidade de comportamento dos movimentos de contracultura.