Oscar Niemeyer

Biography

Oscar Niemeyer was born in Rio de Janeiro in 1907. He studied architecture at the National School of Fine Arts. In 1936, he was part of team that built the first modern building in Brazil, the Ministry of Education and Culture, in Rio de Janeiro, the design of which was done by Le Corbusier. In 1947, he wins alongside the French-swiss architect the contest to design the UN headquarters in New York. The 1940s also see the building of the Pampulha Complex in Belo Horizonte, which exemplifies his modernist design aesthetics. The inivitation was made by future president Juscelino Kubitscheck, whom a decade later enlists Lucio Costa and Niemeyer to conceptualize, respectively, the urban and architectural plan for Brasilia. The new capital is inaugurated in 1960, and its repercussion makes Niemeyer one of the most celebrated architects of his time. Niemeyer is in Europe when the military coup takes place in Brazil in 1964. He chooses political exile and sets residence in Paris where he concludes the Comunist Party headquarters. In France, he designs in the 1970s, his first set of furniture alongside his daughter Anna Maria. He returns to Brazil in 1985. He wins the Pritzker in 1988. He dies in 2012, at 105 years old, having done projects in Brazilian cities and New York, Paris, Beiruth, Caracas, Tel Aviv, Argel, Milan, Aviles and Le Havre.

Commentary

Oscar Niemeyer's furniture designs created in the 1970s are motivated by a desire of continuity between his architecture and the interior elements. The pieces, just like the buildings, start from fluid lines, freely drawn on paper - Niemeyer's beautiful sketches revel the emotions embedded in his work. For the furniture line, the poured concrete, protagonist of architectural irreverence, gives way to wood sheets glued together, challenging structural limits. In an essay written for Modulo magazine, the architect correlated the two techniques in their "possibility of new shapes, the effort in reducing sections and simplifying the building system".

Anna Maria Niemeyer was responsible for the development of the pieces, first in France (there's a version of the Alta chair in stainless steel manufactured by Mobilier International), and later in Brazil, with manufacturing companies Tendo and Teperman. She was the architect's only daughter and had already collaborated with her father in the design of the interiors in Brasilia, overseeing the furniture orders and other décor items for the public buildings. Brasilia was the great generator of contemporary furniture production in the country. Niemeyer's iconic buildings - Alvorada Palace, Palacio do Planalto, National Congress, Supreme Court and Ministry of Foreign Affairs, amongst others - were furnished by Joaquim Tenreiro, Bernardo Figueiredo, Sergio Rodrigues' Oca and Jorge Zalszupin's L'Atelier. However, almost two decades before, Niemeyer had already given the initial push to modern design in Brazil when he bet on Tenreiro's first original works for a residence project.

Oscar Niemeyer nasceu no Rio de Janeiro em 1907. Estudou arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes. Em 1936, fez parte da equipe de projeto do primeiro edifício moderno do Brasil, o Ministério da Educação e da Cultura, no Rio de Janeiro, cujo desenho original é de Le Corbusier. Em 1947, vence com o arquiteto franco-suíço o concurso para a sede da Organização das Nações Unidas, em Nova York. Os anos 1940 são também o da construção do Complexo da Pampulha, em Belo Horizonte, primeiro exemplar de seu modernismo. O convite fora feito pelo futuro presidente Juscelino Kubitscheck, que uma década depois convoca Lucio Costa e Niemeyer para idealizar o plano urbanístico e a arquitetura de Brasília, respectivamente. A nova capital é inaugurada em 1960, e sua repercussão faz de Niemeyer um dos mais célebres arquitetos de seu tempo. Niemeyer está na Europa quando acontece o Golpe Militar no Brasil, em 1964. Opta pelo exílio político e fixa residência em Paris, onde conclui a Sede do Partido Comunista. Na França ele cria, nos anos 1970, seu primeiro conjunto de móveis, em parceria com a filha Anna Maria. Volta ao Brasil em 1985. É laureado pelo Pritzker em 1988. Morre em 2012, aos 105 anos, com obras construídas em cidades brasileiras e em Nova York, Paris, Beirute, Caracas, Tel Aviv, Argel, Milão, Avilés e Le Havre.

Comentário

A criação de móveis por Oscar Niemeyer, nos anos 1970, é motivada pela continuidade entre sua arquitetura e os complementos do interior. O mobiliário, assim como os edifícios, surge da linha fluida esboçada livremente no papel - os belíssimos croquis de Niemeyer são reveladores da emoção contida em sua obra. Nos móveis, o concreto armado, protagonista da irreverência arquitetônica, é substituído pela madeira colada prensada, desafiando limites estruturais. Em texto para a revista Módulo, o arquiteto relacionou as duas técnicas pela "possibilidade de formas novas, o empenho em reduzir seções e simplificar o sistema construtivo".

Anna Maria Niemeyer foi responsável pelo desenvolvimento das peças, primeiro na França (há um versão da poltrona e banqueta Alta em aço inox da empresa Mobilier International), e depois no Brasil, com as fábricas Tendo e Teperman. Única filha do arquiteto, ela já havia colaborado com o pai na concepção dos interiores de Brasília, definindo as encomendas de móveis e outros itens da decoração dos edifícios públicos. Brasília foi a grande impulsionadora da produção de móveis de desenho contemporâneo no país. Os icônicos edifícios de Niemeyer - Palácio da Alvorada e do Planalto, Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal e Ministério das Relações Exteriores, entre outros - foram mobiliados por Joaquim Tenreiro e Bernardo Figueiredo, e escalaram a produção da Oca de Sergio Rodrigues e da L'Atelier de Jorge Zalszupin. Quase duas décadas antes, no entanto, Niemeyer já havia dado o pontapé inicial do móvel moderno no Brasil, quando apostou nas primeiras criações autorais de Tenreiro para o projeto de uma residência.