Modern Interiors

Brazil has developed one of the most unique nucleuses of modern architecture in the world. Midcentury architecture in the country resulted from a truly “Anthropophagism” of International rationalist paradigms (the term “Antropofagia” was famously used in the 1920’s modern art mouvement to refer to Brazil’s particular way of digesting international references). This was possible because it emerged as a response to Brazil’s distinctive history, culture, climate, social issues and material conditions.

This revolution extended into the conception of the interiors. In less than three decades the way homes and public buildings were decorated completely altered, leaving behind the eclecticism of the 19th century and undergoing a true stylistic cleansing. One of the consequences of this new posture was the production of modern furniture. Not by chance, much of the design of the period is authored by architects, then in search of the communion between space and its furnishing. The fusion between architecture and interior design – or rather, the non-distinction between one and the other – are presented below as "five points" (as a reference to Le Corbusier's famous formula).

Residential interiors in Rio de Janeiro and São Paulo

Brazilian modernist architecture flourished in the two main cities of the country. In the coastal city of Rio de Janeiro, the conception of the domestic space predominated as a place of warmth, well-being and individuality. Elements such as brises-soleil and gardens, the (inevitable) dialogue with the landscape, and the fusion of characteristics of the traditional Brazilian house with the modern "machine for living in" characterizes these homes. The Rio architects were the most influenced by Le Corbusier. Lúcio Costa, Carlos Leão, Affonso Eduardo Reidy, Oscar Niemeyer, Henrique Mindlin and Olavo Redig de Campos created some of the most beautiful residences in the city from the 1940s to the 60s.

In São Paulo, city of the emerging bourgeoisie, industrialization and the modernist movement in the arts, the rationalist influence of Walter Gropius prevailed. The first modern or protomodern house was inaugurated in the city by Gregori Warchavchik in 1927. Orthogonal structures gained strength with projects by Oswaldo Bratke and Rino Levi in the 1940s and 1950s. Yet, the architecture of São Paulo had its greatest expression during the two following decades, with the Paulista School, whose main representatives were João Vilanova Artigas and Paulo Mendes da Rocha. Influenced by brutalism, the interiors became naked, reduced to the concrete of the structure, a continuum between architecture and furniture. The houses have an austere and impersonal look to them. To some extent, Brazil's golden years of the 1950s is represented in Rio de Janeiro’s architectural landscape, and in direct contrast to Sao Paulo’s more severe vision in response to the military dictatorship of the 1970s.

"Five Points" of Modern Interiors

1. Hollowed elements

One of the most typical aspects of modern Brazilian architecture is the use of hollowed elements. These modular pieces characterized by voids, produced mainly in cement (but also in enameled ceramics), replace walls and promote an organic transition between interior and exterior. They were born in response to the tropical climate, to assist the natural ventilation of the spaces and to minimize the entrance of abundant luminosity. There is a myriad of types that poetically delineate the space and light. In some homes, the façade is morphed with the interior, such as the residential buildings Parque Guinle by Lúcio Costa in Rio. Popularly known as “cobogó”, the hollowed elements in homes and buildings can be compared to the straw used in furniture. Its origin dates back to the colonial period, where wood trusses were used in the windows of homes.

2. Vegetation

One of the most distinctive aspects of modernist Brazilian architecture is its dialogue with nature. Niemeyer's Casa das Canoas is an iconic example of the symbiosis between building and landscape with a freeform concrete roof "floating" in a tropical canopy. Internal courtyards, an inheritance from traditional colonial architecture, was another prominent way of integrating vegetation with a home's interior. Modern courtyards were not necessarily accessible, instead having a contemplative function, examples of this include Lina Bo Bardi's Glass House in Sao Paulo, and Carmen Portinho's residence in Rio designed by Affonso Eduardo Reidy. Another way of integrating vegetation into the interior was to have plants as decorative elements. These plants, such as "Costela-de-Adão" or "Samambaias" thrive in shaded areas and would often punctuate modernist spaces in pots, hanging from the ceiling or placed on shelves. In the Brutalist houses of the Escola Paulista, in turn, plants are often one of the few elements that dialogue with the concrete.

3. Color

The use of color and Le Corbusier’s Architectural Polychromy influenced Brazilian architects. Rino Levi has frequently employed colored elements on his projects, such as the Castor Delgado Perez residence in São Paulo, whose room is divided by a mustard color ceramic fireplace. In addition to the paint applied (as for example, the red and blue used in the houses by Vilanova Artigas) the color was also explored in the coating materials. The suppliers catalogs at the time had no monotony in the colors offered. The most appreciated were the small glass ‘Vidrotil’ mosaics. Pastel or intense tones gave identity to the environments such as the iconic glass room of Lina Bo Bardi's Glass House, with its azure colored floors. Tiles and other types of ceramics, with a matte or glossy finish, had a variety of shapes and colors, sometimes made to order, such as the hydraulic tile. The material, with stamped motifs, was used by Paulo Mendes da Rocha in some of his homes as a floor tile. The designer Joaquim Tenreiro at times used monochrome rugs in interiors he designed as a way of demarcating different environments in the same space.

4. Wall Art

It was a custom of modern architects to follow the Corbusian principle of integration of art and architecture, and to use specially commissioned paintings, mosaics or tile panels in some walls. The renowned Athos Bulcão covered Oscar Niemeyer's concrete curves in buildings in Brasília with mainly geometric tiles – often leaving the final composition in charge of the worker who places the tiles. Commissions for private residences were sought out as much as in public buildings. Roberto Burle Marx made a mural of tiles for the residence of Walther Moreira Salles designed by Olavo Redig de Campos, exploring only the blue just like in traditional Portuguese tiles. Of a more abstract character, the ceramic mosaics of Paulo Werneck followed a recognizable palette of shades of blue, brown and yellow. Candido Portinari, Di Cavalcanti and Carybé, among many others, followed national themes in a more figurative way.

5. Built-in furniture

Built-in furniture was essential to divide the spaces of the floor plans. One of the most used typologies that kept the spatial continuum were shelves that were either detached from the floor or the ceiling, as used by Mies van der Rohe at Farnsworth and Philip Johnson at the Glass House, with the furniture having different functions on each side. Included in the wide range of typologies created by Joaquim Tenreiro are screens – one of the most elegant elements for creating an ambience – as well as sofas attached to the wall made up of large rectilinear boards and also functioning as a bench and side table. In the 60s and 70s, the continuity between architecture and furniture was radicalized by the Paulista School, with concrete built-in furniture. The use of half levels and other sets of volumes in spaces made the transition between the structure and the furniture almost imperceptible.

INTERIORES MODERNOS

O Brasil desenvolveu um dos mais originais conjuntos de arquitetura moderna do mundo. Houve um verdadeiro antropofagismo dos paradigmas racionalistas internacionais, que resultou na criação de uma forte identidade arquitetônica, possível porque surgiu como resposta à cultura, ao clima, às questões sociais e condições materiais próprias ao país.

Essa revolução se estendeu à concepção dos interiores. Em menos de três décadas a decoração de casas e edifícios públicos foi completamente alterada; deixou para trás o ecletismo do século 19 e promoveu uma verdadeira limpeza estilística. Uma das consequências da nova postura se deu na produção de móveis modernos. Não por acaso, muito do design do período tem autoria de arquitetos, então em busca da comunhão entre o espaço e seus equipamentos. A fusão entre arquitetura e decoração/ornamento, ou melhor, a não distinção entre uma e outra – um dos paradigmas modernos – será aqui definida por “5 pontos” (brincando com a famosa fórmula de Le Corbusier).

Interiores residenciais no Rio de Janeiro e em São Paulo

O modernismo arquitetônico brasileiro teve expressões plurais nas duas principais cidades do país. No Rio de Janeiro, cidade litorânea e antiga sede do Império, predominou a concepção do espaço doméstico como local de aconchego, bem-estar e individualidade. São constantes elementos como os brises e jardins, o (inevitável) diálogo com a paisagem, e a fusão de características da casa tradicional brasileira com a “máquina de morar” moderna. Os arquitetos cariocas representaram a corrente mais influenciada por Le Corbusier. Lúcio Costa, Carlos Leão, Affonso Eduardo Reidy, Oscar Niemeyer, Henrique Mindlin e Olavo Redig de Campos são autores de algumas das mais belas residências da cidade nos anos 1940 a 60.

Em São Paulo, cidade da burguesia emergente, da industrialização e do movimento modernista nas artes, prevaleceu a influência racionalista de Walter Gropius. A primeira casa moderna, ou protomoderna, foi inaugurada na cidade por Gregori Warchavchik em 1927. Partidos mais ortogonais ganharam força em projetos de Oswaldo Bratke e de Rino Levi nos anos 1940 e 50. Mas a arquitetura de São Paulo teve sua maior expressão nas duas décadas seguintes, com a Escola Paulista, de cunho esquerdista e cujos principais representantes foram João Vilanova Artigas e Paulo Mendes da Rocha. Sob a influência brutalista, é quando os interiores tornam-se despidos, reduzidos ao concreto da estrutura, em um contínuo entre arquitetura e mobiliário. As casas têm aparência austera e impessoal. De alguma forma, a visão do Brasil dos anos dourados do Rio de Janeiro da década de 1950, encontrou em São Paulo a representação de um país rude e subdesenvolvido, às voltas com a ditadura militar.

“Cinco pontos” dos interiores modernos

1. Elementos vazados

Um dos aspectos mais típicos da arquitetura moderna brasileira é o uso de elementos vazados. Essas peças modulares marcadas por vazios, produzidas principalmente em cimento (mas também em cerâmica esmaltada), substituem paredes e promovem uma transição orgânica entre interior e exterior. Nasceram como resposta ao clima tropical, a promover a ventilação natural dos espaços e minimizar a entrada da abundante luminosidade. Há uma infinidade de tipos, que desenham poeticamente os espaços e a luz. Em alguns casas, a fachada se transmuta em interior, caso do conjunto de edifícios residenciais Parque Guinle de Lúcio Costa, no Rio. Popularmente conhecidos como cobogó, os elementos vazados podem ser pensados como a palhinha dos móveis transposta para os edifícios – como nela, a origem é da época colonial, quando treliças de madeira foram utilizadas nas janelas de casas.

2. Vegetação

Uma das vocações da arquitetura moderna brasileira é o diálogo com a natureza exuberante. A simbiose entre edifício e paisagem é icônica na Casa das Canoas, de Niemeyer, com a forma livre da laje a flutuar na clareira aberta na mata. Porém, a forma mais particular de integrar a vegetação, o interior e o exterior, é por meio de pátios internos, herança da casa tradicional colonial. Os pátios modernos não eram necessariamente acessíveis, como na Casa de Vidro de Lina Bo Bardi, em São Paulo, ou na residência de Carmen Portinho projetada por Affonso Eduardo Reidy, no Rio, o que dá indícios de sua função contemplativa. Uma outra maneira popular de conviver com o verde foi ter plantas no interior da casa, como elementos decorativos. A regra era usar plantas tropicais ornamentais, adaptadas a áreas mais sombreadas, como a Costela-de-Adão ou a samambaia, pontuando os espaços em vasos no chão, penduradas ao teto ou colocadas sobre estantes. Nas casas brutalistas da Escola Paulista, por sua vez, as plantas são, muitas vezes, um dos poucos elementos que dialogam com o concreto.

3. Cor

O uso da cor e da policromia pregados por Le Corbusier teve grande adesão dos arquitetos brasileiros. Rino Levi utilizou elementos coloridos na residência Castor Delgado Perez, em São Paulo – a sala é dividida por uma lareira revestida de cerâmica mostarda. Mais que na aplicação da tinta (como em algumas casas de Vilanova Artigas, principalmente vermelho e azul), a cor foi explorada por meio dos materiais de revestimento. Não havia monotonia no catálogo dos fornecedores da época. As mais apreciadas eram as pastilhas Vidrotil, feitas de vidro em pequenos formatos. Tons pastel ou intensos davam a identidade aos ambientes, como na icônica sala envidraçada da Casa de Vidro de Lina Bo Bardi, de chão azul celeste. Azulejos e outros tipos de cerâmica, com ou sem acabamento brilhante, tinham variedade de formatos e cores, às vezes feitos sob encomenda, como o ladrilho hidráulico. O material, que tem motivos estampados, foi usado no piso de algumas das casas de Paulo Mendes da Rocha. O designer Joaquim Tenreiro, que às vezes se encarregava da decoração de interiores, utilizou tapetes monocromáticos como forma de demarcar diferentes ambientes em um mesmo espaço.

4. Arte mural

Era praxe dos arquitetos modernos deixar algumas paredes aptas a receber pinturas, mosaicos ou paineis de azulejo, seguindo o princípio corbusiano de integração da arte à arquitetura. Principal nome da vertente no país, Athos Bulcão teve como suporte as curvas de concreto armado de Oscar Niemeyer nos edifícios de Brasília – espaços que ele preencheu principalmente com azulejos de caráter geométrico, deixando muitas vezes a composição final a cargo do operário que faz a colocação das peças. As comissões para residências particulares abundavam tanto quanto para obras públicas. Roberto Burle Marx realizou um mural de azulejos da residência de Walther Moreira Salles projetada por Olavo Redig de Campos, explorando apenas o azul como na tradicional azulejaria portuguesa. De caráter mais abstrato, os mosaicos em cerâmica de Paulo Werneck seguiram uma paleta reconhecível de tons rebaixados de azul, marrom e amarelo. Candido Portinari, Di Cavalcanti e Carybé, entre tantos outros, seguiram de modo mais figurativo temas nacionais.

5. Mobiliário fixo

O mobiliário fixo foi essencial para dividir os espaços das plantas livres. Uma das tipologias mais utilizadas, que mantinham o contínuo espacial, eram estantes descoladas do piso ou do teto, como fazem Mies van der Rohe na Farnsworth e Philip Johnson na Glass House. Esses móveis serviam a diferentes funções de um lado e de outro. Na ampla gama de tipologias criadas por Joaquim Tenreiro estão biombos, um dos mais elegantes elementos para a criação de uma ambiência, assim como sofás constituídos de grandes tábuas retilíneas fixadas às paredes, que funcionavam também como banco e mesa lateral. Nos anos 1960 e 70, a continuidade entre arquitetura e mobiliário foi radicalizada pela Escola Paulista, com móveis fixos em concreto. O uso de meios níveis e outros jogos de volumes no espaço faziam a transição entre estrutura e mobiliário ser imperceptível.